Paroquianos celebram entronização da imagem sacra de Santa Clara

santa-clara-810x540-810x540-1.jpg

No início da missa do 5º Domingo da Quaresma o Frei Jean realizou a entronização da imagem sacra de Santa Clara de Assis. A partir de agora ela integra as imagens sacras da Igreja do Rosário. A Santa Clara de Assis é padroeira da Paróquia que também tem São Francisco e Santo Antonio como padroeiros.

De acordo com Teresa Cristina Teles, Santa Clara é a fundadora da Ordem das Clarissas e seguiu o Evangelho de Cristo da forma como São Francisco de Assis, seu amigo, a ensinou. “Santa Clara é chamada “espelho cristalino” A imagem de Santa Clara (foto) foi entronizada nesse domingo 13 de março.
Saiba mais um pouco sobre a vida de Santa Clara

Infância e Juventude

Século XII, Assis, na Itália. Nasce Clara Favorone, filha de Hortolona e Favarone, uma família considerada nobre na sociedade local. Acredita-se que a data mais precisa de seu nascimento é 1194 (embora há historiadores que apontem o ano de 1193), em plena Idade Média, marcada pelo desmoronamento do sistema feudal e o crescimento do comércio.

Como filha primogênita, natural que sua mãe Hortolona temesse pela gravidez e, principalmente, pelo parto. Extremamente religiosa, ela sempre pedia um bom parto em suas orações, quando, um dia, ouviu uma voz que lhe dizia: “Não temas, mulher, porque terás um parto normal e a luz daquela que vai nascer resplandecerá com mais claridade que um dia de sol”. Por esse motivo, no Batismo, deu o nome de Clara.

A menina Clara cresceu num ambiente de nobreza e fartura, pois segundo o biógrafo Tomás de Celano, o pai era militar e a família, dos dois lados, de cavaleiros. Seu pai, Favarone, filho de Ofredúcio e neto de Bernardino, morava com os irmãos em uma bela e grandiosa casa, que a família possuía junto à Catedral de Assis havia mais de cinqüenta anos, embora eles também eram proprietários rurais, com castelos nas redondezas.

Mas Clara também teve o suporte da fé. Sua mãe não se descuidou de educá-la para ações mais nobres ainda, principalmente fazendo piedade e caridade com o mais necessitados.

É Celano quem fala: “Estendia a mão com prazer para os pobres e, da abundância de sua casa, supria a indigência de muitos”. Nesse período da Idade Média, o dinheiro foi se tornando um novo rei. Os pobres e os doentes, aqueles que não podiam subir na escala social, eram marginalizados.

Celano lembra bem que, mesmo vivendo em um ambiente de riqueza e ostentação, Clara compreendia que as aparências e os adornos mundanos podiam ser enganosos. “Foi compreendendo que as coisas da terra, por mais belas que fossem, não podiam prender seu coração”.

Pascom – Pastoral da Comunicação

www.franciscanos.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top